Colunistas

Aprofundando a Palavra - Monsenhor Danival

Publicado dia 27/06/2020 às 19h37min
(Solenidade de São Pedro e São Paulo – 2020)

“Tu és o Messias, o Filho do Deus vivo” (Mt 16,16)

(Solenidade de São Pedro e São Paulo – 2020)

 

Hoje celebramos solenemente São Pedro e São Paulo, dois grandes Apóstolos da fé que nos inspiram a fazer de nossa vida cristã um caminho de crescimento na fé fundamentada na experiência do amor de Cristo e na vivência eclesial.

 

No Evangelho, Pedro respondeu com precisão que Jesus é o Messias, isto é, o Cristo, o Filho do Deus vivo. Ao longo de sua vida, Pedro foi amadurecendo a sua fé à medida que foi conhecendo o caminho do messianismo de Jesus, mesmo sem muito compreender. Somente após a experiência do choro amargo, por ter negado o Senhor e ter contemplado o seu olhar amoroso, é que sua conversão foi completa. Sem esta experiência, a Pedra sobre a qual Jesus disse que construiria a sua Igreja, tornar-se-ia somente uma pedra de tropeço. Depois deste caminho de amadurecimento de fé, Pedro pôde assumir a missão que o Senhor lhe confiou de confirmar os seus irmãos na fé.

 

Mais tarde, o próprio Apóstolo Pedro nos chama de pedras vivas na construção de um templo espiritual (cf. 1Pd 2,5), à medida que confirmados na fé, estivermos enraizados e alicerçados em Cristo, como afirma São Paulo (cf. Cl 2,7).            

 

Neste sentido, São Paulo é exemplo de quem soube testemunhar e guardar a fé, sendo fiel ao Senhor, especialmente nas provações e no sofrimento (cf. 2ª Leitura). De fato, ele foi capaz de considerar toda a experiência adquirida como lixo diante da riqueza do conhecimento de Jesus Cristo (cf. Fl 3,8ss). Uma vez conquistado pelo amor de Cristo, Paulo nos deixa o exemplo de uma fé madura ao afirmar: “vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e se entregou por mim (Gl 2,20).

 

Portanto, a exemplo destes dois grandes Apóstolos, sejamos peregrinos na fé, buscando a conversão, deixando-nos ser conquistados pelo amor do Cristo. Impelidos por este amor, saibamos testemunhar a nossa fé na comunhão eclesial, conforme o exemplo dos primeiros cristãos (cf. 1ª Leitura), vivendo a fidelidade também ao sucessor de Pedro, que é nosso Papa Francisco.

 

Mons. Danival Milagres Coelho

           

Fonte: Redação